segunda-feira, janeiro 29, 2007

os ultimos dias de férias são sempre os mais estranhos, os com mais cara de meio-termo,os que eu noto que minhas anotações tão recentes já são do passado, os que eu tenho nostalgia de nada: nostalgia do nada- as horas tão doces vão ficando salgadas.

é hora de dizer "sei lá" pra tudo, lembrar de alguma coisa e ver o que se quer daqui pra frente

pra ouvir: the last day of summer, do Cure. considerada pela Selene a música mais triste do mundo. eu discordo um pouco- a concorrencia é forte- mas não deixa de ser uma candidata de peso

sexta-feira, janeiro 26, 2007

unica linha sobre o show dos mutantes:

Mutantes tocando "A Minha Menina" Sem Fuzz?? como assim?

sábado, janeiro 20, 2007

Caio de Novo

"Como você sabe, dirás feito um cego tateando, e dizer assim, supondo um conhecimento, faria quem sabe o coração do outro adoçar um pouco até prosseguires, mas sem planejar, embora planejes há tanto tempo, farás coisas como acender o abajur do canto depois apagar a luz mais forte, criando um clima assim mais íntimo, mais acolhedor, que não haja tensão alguma no ar, mesmo que previamente saibas do inevitável das palmas molhadas de tuas mãos, do excesso de cigarros e qualquer coisa como um leve tremor que, esperas, não transparecerá em tua voz. Mas dirás assim, por exemplo, como você sabe, sim como você sabe, a gente, as pessoas, infelizmente têm, temos, essa coisa, emoções, mas te deténs, infelizmente?"

Caio Fernando abreu

sábado, janeiro 13, 2007

De "Taxman" para "chamei um taxi".

Sempre pensei em compilar versões de Beatles feitas por bandas brasileiras nos anos 60, porém, alguém teve a ideia antes de mim e "Beatlemania brasileira" já está circulando pela net

além dos já esperados Renato e Seus Blue Caps e Ronnie Von, estão nomes completamente obscuros, com o The Spokes (que fizeram uma versão ultracool de "Fool on the hill" com bons vocais femininos) e os Rubis (com uma honesta versão instrumental de "good Day Sunshine")

a unica coisa em comum entre as faixas é mesmo os FabFour: a qualidade instrumental e de gravação varia muito de uma faixa pra outra, há os que optam pela versão em portugues ou pelo cover em ingles (geralmente sofrivel)

das versões que não alteram muito o original, cito a Don´t Bother Me com The Bells (que adicionou sax e orgão), o Fevers com Aquela Garota (She´s a Woman, que por mais que eu odeie os Fevers dos anos 70, sou obrigado a reconhecer que essa versão ficou muito boa e bem gravada), Os Santos com uma "A night Before" levemente mais garageira e Marcio Greick com "Estou sozinho" (uma Eleanor Rigby com exatamente o mesmo arranjo Martiniano da original)

das recriações: além dos já citados spokes, tem o Trio esperança transformou a folk "I´ll follow the sun" numa joven guarda típica, Matinha fez de Yesterday uma balada fossenta, Ed Carlos dizimou toda a psicodelia de "Lucy in the sky with diamonds", e os Youngsters, por nao ter guitarra de 12 cordas, apostaram nos graves da guitarra para sua versão quase troggiana de "a Hard day´s night".

Trofeu Bizarrice: Meire Pavão, que tinha uma respeitavel carreira no inicio do rock brasileiro, fez uma versão prá la de tosca de Taxman (imagine o solo de taxman sem distorção)

em suma, a coletanea vale pela curiosidade, mas poucas versões tem qualidade mesmo
na minha opinião, deveriam ser incluídas a boa versão de "Day tripper" do conjunto lafayette e a sen-sa-cio-nal versão de Lady Madonna dos Mutantes, que imperdoavelmente ficou de fora.

se quiser ouvir, baixe aqui:

Beatlemania Brasileira

terça-feira, janeiro 09, 2007

Melhores de 2006 [Parte 2]

BANDAS (Sem ordem de preferencia)

superguidis
peter bjorn and john
Telerama
Rosal
El perro del mar
Beirut
Mellotrons
Jens Lekman
Whitest Boy Alive

Musica nacional:
Stereoplasticos- lonas bicolores
Ecos falsos- bom amigo inibié
Bazar Pamplona- Agora eu sou vilão
Telerama- Cruz
Leticios-Ana Cristina Desconcertada
Menino Errado- o Avesso
Telesonic- Lembre-se
Vanguart- Semáforo


musica estrangeira:
midlake- roscoe
Peter Bjorn and John- Young Folks
Sonic youth- incinerate
knife- you take my breath away
Eight Legs- Tell me What Went Wrong
The Debuts- Go Set Go
El ten Eleven- Connie
El Perro Del Mar- This Loneless
Pedro The Lion- I Am Always the One Who Calls

e sim, com todas as injustiças, com todos os que nao entraram na lista

segunda-feira, janeiro 01, 2007

2006 musical (Parte 1)

Ano Variado, como costumam (e costumarão) ser os anos nessa era de mp3. 2006 talvez ficará marcado como um ano sueco (eles sempre foram produtores de boas canções pop, desde a psicodelia do Hep Stars ao Abba) mas esse ano eles se superaram: Peter Bjorn and John, pra mim o melhor lançamento do ano, é dessa simpática terra nórdica, que ainda tem a grandiloqüência do Love is All (Arcade-fire-menos-teatral), a delicadeza de Jens Lekman e a fofice acústica do Perro Del Mar (ou Sarah Assbring) e o delicioso Tecnopop Brega do the Knife (“parece trilha-sonora do Celso Portioli”, já diria meu amigo Cris, outro fã dessa banda).

de outro lado, o Beirut, rapaz que se aproveita da sua virgindade em certos instrumentos pra fazer um som totalmente inusitado (sim, muitas das gravações são os registros da primeira vez que ele empunhou os instrumentos).os Raconteurs tiveram um álbum de estréia razoável mas a zombieana-setentista "Steady as she goes" foi a melhor coisa que as rádios comerciais tocaram.

Há coisas tão diversas os oitentistas Hips like cinderella e os neo-shoegazer do the sky drops (já citados nesse blogue), tem também o som instrumental do el ten eleven, o som para madrugadas do Midlake (ouça roscoe as 3 da madrugada e feel-it-yourself) e a simplicidade pop e violoes de Nylon do Rosal (porteños). Gosto também dos espanhóis do Zinedines

nem tão novos: gostei do novo do Nouvelle Vague, todavia,a formula "versão acústica de 80´s" não deve funcionar mais por muito tempo; o novo do Tv on the Radio é bom -com uma boa participação do bowie- mas ouvi-o muito superficialmente pra comentar aqui,não gostei do novo do snow patrol (não gostei da produção,mais "pesada")

dos "véios", destaque pros albuns do Stereolab e Flaming lips, e mais destaque ainda pra Rather Ripped do Sonic Youth, que fizeram um album comparável com seus clássicos e seguem sendo a banda que melhor envelhece (ou melhor, a que melhor não-envelhece).

Brasil-sil-sil

Boas novidades esse ano, queria pontuar especialmente a qualidade técnica dos álbuns: bandas como Gram e Superguidis tiveram albums com produção que não deixa a desejar pra muito disco gringo, para acabar de vez com o nosso "complexo de vira-lata", como diria o mestre Nelson Rodrigues.De novidades, o rock safadinho dos Letícios (que musicou versos da Imensa poetisa Ana Cristina César), as sombras do LaBelle, as canções curtas e escuras do Lades e o funk-indie das impostorA e do Role, sem esquecer do Vanguart, que fez sucesso com a bela Semáforo (que continuem fazendo boas letras em português). Na contramão de tudo (digo tanto a “fofice” quanto as referencias oitentistas) os Nordestinos do Mellotron, que fazem um rock influenciado pelas coisas jóia dos anos 90 e cantam em ingles

Não dá pra não falar do Tired Of Being Sexy, há muita gente que torce o nariz, mas é simplismente uma banda que faz um som descompromissado e divertido, banda projetada talvez não para ser a banda preferida de alguém (daquelas que você coleciona tudo e segue e se identifica com as letras), mas pra se divertir um bocado. Anyway, a NME deixou em terceiro lugar

e claro, na categoria são-meus-amigos-mas-são-bons: o pop sem medo de se-lo do Telerama e o single pratos quebrados/narciso do Móbiles (cheio de ecos e boas letras: "arranca-me da festa/sem adeus/só me devolve a rua/te quero coração vazio") e el nuebo de los pirata (elvis esta muerto, pero jesus ressucitou uma das melhores frases espertas do ano)