terça-feira, dezembro 26, 2006

depois do odio: Recorte Cultural

Eu odeio Michel Melamed, odeio. Podem dizer que é inveja, porque é, podem afirmar que é ódio invejo que eu reafirmo, mas acrescento, porém que é uma inveja saudável: este judeu (que parece árabe) apresenta o programa que eu sempre quis apresentar: Recorte Cultural é anárquico, caótico (a ponto de Suzana Vieira afirmar que “lembra uma ilha de edição”), entrevista gente bacana e sempre dá espaço para o acaso.

Imprevisível, o programa conseguiu superar até minha implicância pessoal pelo Michel (que vem desde a cobertura do Rock in rio, onde ele era um “wanna-be-poeta”), tenho que admitir que ele se aprimorou: está mais comedido e com menos vícios intelectualoides, trocando o tom excessivamente teatral para uma linguagem mais televisiva. Agora, ele provoca os convidados na hora certa.

As Referencias a filmes A e B, juntamente com a divulgação de livros pouco conhecidos só agiganta a aura cult do programa que, se é experimental, então é uma experiência que deu muito certo, com um grupo fiel de cobaias que o acompanham.

(queria um trecho melhor, mas por enquanto vai esse):







domingo, dezembro 24, 2006

não adiantar fazer tanta coisa, o vazio se impoe, me ajuda a preencher,

terça-feira, dezembro 19, 2006

Mister Tambourine Man!

trechos de uma entrevista coletiva com o Bob Dylan, em San Francisco, dezembro de 1965



-Senhor Dylan, parece muito relutante em falar sobre o fato de que é um artista popular, na verdade dos mais populares.
- O que quer que eu diga?
- Bem, não entendo por quê.
- Bem, o que quer que eu diga a respeito?
- Bem, parece de ter vergonha de admitir que é... de falar a respeito...
- Bem, eu não estou com vergonha. O que quer exatamente que eu fale? Quer que eu pule e diga 'Aleluia' e quebre as câmeras e faça algo estranho? Diga-me. Diga-me, faço o que mandar. De não puder fazer, acharei alguém que faça o que quer.
- O senhor não sabe por que razão ou não tem idéia de por que é popular, isso é o que me interessa.
- Na verdade, nunca me esforcei para isso. Aconteceu, sabe? Aconteceu, como tudo acontece.

Mais Dylan...na mesma entrevista..

"Você me pergunta se escrevo canções surreais, mas esse tipo de atividade é que é surreal. Não tinha respostas para essas perguntas, não mais do que qualquer outro artista, na verdade. Mas isso não impediu a imprensa, nem as pessoas, ou quem quer que seja, de me fazerem esses questionamentos. Por alguma razão a imprensa achava que os artistas tinham as respostas para todos esses problemas da sociedade. O que se pode dizer sobre isso? É algo meio absurdo."


por isso que confio cada vez mais no Dylan, e menos nos jornalistas

domingo, dezembro 17, 2006

obrigado



esqueçam o sol, não se amedrontem com a inercia, ouçam the sky drops e não esqueçam do telefone

hoje tudo já partiu, hoje eu vou correr para imitar a luz,

quinta-feira, dezembro 14, 2006

Sabe, eu sabia pacas disso tudo, sabia, mas aí num dia eufórico, eu explodia, tomei um ônibus sem mal saber ao certo pra onde iria, encontrei uma menina que talvez me aceitasse, mas dispararia a falar demais caso abrisse os meus lábios e continuei como estava

No fim de tudo nem fui tão longe


Mas tive aquele esquecimento saudável de dia útil, aquela dor obrigatória, e mais tarde um sorriso sem querer

quarta-feira, dezembro 13, 2006



hoje a maioria das pessoas não tem tempo de ouvir todas as musicas que baixam, (a polemica sobre o "baixar-ou-não" já foi,humildemente,discutida nesse Blog) e eu não escapo dessa maioria.

porém hoje "descobri" uma musica perfeita que eu já tinha

nada como acordar 10 pras 7 da manhã, ligar o pc, clicar numa pasta esquecida e ouvir "Another Einstein" do The Mardous.

nada

(Post Scriptum: Mtv de manhã é legal: hoje foi revivalzinho dos anos 90, com "into your arms" do Lemonheads e um monte de coisas bacanas que eu ouvia na minha pré adolescência)

terça-feira, dezembro 12, 2006

transition



Fase de transição
e espero que a transição aconteça realmente
nao termine em apatia aguda...
ou violenta repetição de estado, ou entrar naquele jogo estranho e supérfluo de voce achar que tudo mudou quando na verdade a estrutura esta lá, está tão intacta e não se moverá até que um surto estranho, que combina lucidez e loucura, sensatez e imprudencia; acontecer e fazer desacontecer tudo que parece antigo e apático

não
!

segunda-feira, dezembro 11, 2006

Inferno Feliz

pinochet morreu

junto com mussolini e geisel, vai cantar e apresentar o especial de natal do progama "Amigos", na tv do inferno

domingo, dezembro 10, 2006

a procura do layout perfeito




ta dificil achar...e esse nao me satisfaz totalmente

e pra compensar a falta de texto...a foto mais legal que vi na esposição do Tazio Secchiaroli,no conjunto nacional. Um dos primeiros fotografos do mundo a se especializar em cinema, Secchiaroli trabalhou em filmes como Otto e Mezzo de Fellini e O desprezo de Godard (dois de uma lista longa e boa )

a foto aí é da Claudia Cardinale..uma das minhas atrizes prediletas

sexta-feira, dezembro 08, 2006

mas já...


Já não digo mais que é triste,
mas minhas girias agora são pecado,
escrevo assim,no tom que falo não ofendem, ferem a respiração partida e tento não ser desastrado, não hoje:
tem alguem perto, closer
closer let me whisper in your ear...
cantei só pra deixar aquele espaço em branco Vermelho

as duas da tarde não passam

quarta-feira, dezembro 06, 2006

andança parte dois

acompanha meu silencio nessa noite estranha, olha pra mim, me faz lembrar que ninguém precisa de mim o tempo todo mas eu quero que alguém precise agora

acompanha meu sorriso pela Vila Mariana, toca em mim, me faz pensar que alguém precisa de mim do meu tempo precioso mas eu quero me dividir pra alguém agora

acompanha minha noite nesse silencio tacanho, espera por mim, me faz lembrar que eu preciso me omitir do meu tempo impreciso mas eu já nem estou aqui agora

porque eu cansei de só me acompanhar.